Fandom

História Alternativa

Brasil Fragmentado

503 páginas
nesta wiki
Adicione uma página
Falar0 Compartilhar

Brasil Fragmentado é uma linha de tempo de história alternativa que trata de história, política e escravidão no século XIX. Em nossa linha de tempo, o Brasil foi formado após um processo de independência relativamente conservador, o que permitiu ao país permanecer unido após alguns conflitos localizados (ao contrário das colônias espanholas, que se dividiram em vários países diferentes). A ideia por trás desta LTA considera que isso só foi possível por causa da figura poderosa de D. Pedro, Príncipe Regente de Portugal, que rebelou-se contra as ordens de seu pai e deu início a esse processo, que ele próprio comandou, e posteriormente reinou sobre o recém criado novo país como o imperador D. Pedro I. Mas se D. Pedro tivesse deixado o Brasil como havia sido ordenado, as coisas terminariam de uma forma muito diferente.

Esta linha de tempo é uma ideia publicada originalmente como 1822: Brazil Split na althistory.wikia.com, e criada e editada em ambas as versões por Parsifal br. O autor da linha de tempo aceita contribuições para a LTA, mas pede que as ideias sejam apresentadas como proposta, e reserva-se o direito de aceitar como cânone apenas as ideias que estiverem de acordo com a ideia original, pelo menos enquanto não for possível descrever toda a linha do tempo a contento. Mas as ideias propostas, sejam elas aproveitadas integral ou parcialmente, sejam elas rejeitadas, serão discutidas sempre que possível.

Enredo e Ponto de DivergênciaEditar

No final de 1821, o Príncipe Regente D. Pedro, de Portugal, recebeu ordens de seu pai, o rei D. João VI, de deixar seu posto de regente do Reino do Brasil. Em 9 de janeiro de 1822, ele anunciou, ao contrário da LTO, sua decisão de acatar as ordens de seu pai e retornou a Portugal, o que levou a uma série de guerras de independência pelo Brasil. Na falta de um líder poderoso para unir as antigas colônias, elas logo se dividiram em diversos países menores independentes.

AntecedentesEditar

Período ColonialEditar

As regiões que formaram a América Portuguesa haviam sido exploradas pelos europeus desde 1500. Devido ao enorme tamanho das colônias e à falta de recursos da Coroa portuguesa, um sistema de capitanias hereditárias foi estabelecido, e deu origem a um forte sentido de autonomia entre os colonos. As dificuldades logísticas de navegação tornava difícil criar um governo unificado, de modo que o rei português Filipe II estabeleceu dois estados coloniais: o Estado do Maranhão e Grão Pará no norte, e o Estado do Brasil no sul. O Estado do Brasil foi posteriormente dividido em duas regiões administrativas: o Estado do Norte (com capital em Salvador) e o Estado do Sul (com capital no Rio de Janeiro).

Embora houvesse governadores gerais designados pelo rei, as capitanias mantiveram uma grande autonomia ao longo do período colonial, uma vez que elas dependiam de seus donatários para seus recursos. Apenas algumas capitanias efetivamente prosperaram desde o início: Pernambuco, São Vicente e Bahia, todas elas dependentes da produção de cana de açúcar e de massiva escravidão africana. Em 1822, essas regiões (então já denominadas províncias) eram ainda as colônias mais poderosas, e cada uma delas daria origem a um dos futuros países: Pernambuco, São Paulo e Bahia, respectivamente.

No início do século XIX, as colônias portuguesas (que eram chamadas conjuntamente de Brasil) haviam superado algumas crises importantes e estavam em franco processo de recuperação econômica. Algumas rebeliões eclodiram, inspiradas pela filosofia do Iluminismo e pela Independência dos Estados Unidos, especialmente em Minas Gerais, Bahia e Pernambuco. Essas rebeliões foram todas duramente esmagadas pelas forças coloniais da coroa portuguesa.

A chegada da corte portuguesaEditar

Após ser ameaçado de deposição pelo imperador francês Napoleão Bonaparte caso desafiasse o Bloqueio Continental, o príncipe regente D. João decidiu deixar Portugal e transferir sua corte para o Brasil em 1808. A chegada da Corte modificou dramaticamente a colônia, especialmente na cidade do Rio de Janeiro. Como primeira medida, D. João permitiu que as "nações amigas" (o que, na época, significava apenas "Grã-Bretanha", embora mais tarde outras também fossem incluídas) comerciassem diretamente com o Brasil, e promoveu uma série de melhorias na cidade provinciana.

A fuga da corte para o Brasil deixou o Portugal continental em uma situação muito difícil. Além da ocupação do território pelas tropas francesas, algumas medidas tomadas por D. João quebraram a economia do país: o decreto de abertura dos portos, de 1808, e os tratados da década de 1810 com a Grã-Bretanha, que permitiram que os produtos ingleses entrassem no Brasil em condições extremamente vantajosas. Após essas medidas, Portugal havia perdido seus privilégios coloniais e parecia muito mais uma colônia brasileira ou um protetorado britânico.

O Reino UnidoEditar

Em 1814, D. João enfrentou a necessidade de retornar a Portugal, condição necessária para que ele enviasse um embaixador para o Congresso de Viena. Além disso, a morte da rainha D. Maria I em 1815 levou a uma situação inusitada: o Príncipe Regente D. João era agora o rei D. João VI de Portugal, mas a coroação aconteceu no Rio de Janeiro, milhares de quilômetros longe de Lisboa, e o rei não dava nenhuma mostra de que pretendia voltar para casa tão cedo.

Os protestos exigindo o retorno do rei começaram a aumentar em Portugal, já que a ameaça representada por Napoleão tinha acabado e o rei não tinha mais uma boa razão para permanecer no Brasil. Mas ele temia que deixar o Brasil pudesse ser uma atitude desastrosa: seus conselheiros percebiam um crescente sentimento de autonomia entre os colonos e uma animosidade cada vez maior contra o domínio português, e acreditavam que uma rebelião (ou uma série delas) se iniciaria se o rei fosse embora. Ou seja: o sentimento de liberdade começava a crescer nas colônias, e D. João VI sentia que sua presença era uma das poucas coisas que evitava que isso explodisse. Além do mais, as notícias chegadas de diversas colônias davam conta de que as elites locais estavam inquietas e alguns movimentos populares estavam começando a surgir, e o rei temia que Portugal estivesse prestes a perder o controle da colônia de dimensões continentais.

Para evitar que isso acontecesse, e para garantir ao mesmo tempo o assento português no Congresso de Viena, embora estivesse longe de Lisboa, D. João VI elevou o Brasil à condição de Reino Unido a Portugal e Algarve. Isso criou o primeiro reino europeu nas Américas, uma situação que os brasileiros não estariam dispostos a abrir mão com facilidade.

A partida de D. João VIEditar

Nesse meio tempo, a burguesia portuguesa, especialmente na cidade do Porto, ao norte do país, procurava restabelecer os privilégios portugueses e instituir um sistema política e economicamente liberal. Em 1820, a Revolução Liberal do Porto eclodiu. e os rebeldes exigiam o imediato retorno do rei a Portugal. A ameaça ao seu poder já havia passado, a maioria dos nobres e cortesão que fugiram com ele em 1808 já haviam retornado ao país e a população portuguesa exigia reformas políticas. Dom João VI teve que encarar novamente o dilema de retornar a Portugal e arriscar-se a perder o Brasil ou ficar e arriscar seu trono em Lisboa. Exigia-se que o rei aceitasse uma Constituição para o reino, e o Brasil voltaria à condição de colônia portuguesa, o que era considerado inaceitável pelos brasileiros. Os temores de D. João VI, de rebeliões em ambos os lados do oceano, no entanto, eram ainda maiores do que anteriormente, e levaram-no a tomar uma decisão radical: incapaz tanto de abandonar a antiga colônia, pura e simplesmente, nem de adiar mais seu retorno a Portugal, D. João VI não viu outra alternativa a não ser retornar, mas deixar em seu lugar seu filho e herdeiro D. Pedro como Príncipe Regente do Brasil. Essa manobra inteligente manteve intactos seus domínios, mas enfureceu os portugueses assim que o navio real chegou a Lisboa.

Assim que chegou, d. João VI foi forçado a exigir o retorno imediato de seu filho. Assim, era agora D. Pedro que deveria enfrentar o mesmo dilema de seu pai: ou aceitar as ordens do rei e retornar, mas arriscando-se a consequências imprevisíveis ao seu poder no Brasil, ou rebelar-se contra o rei e permanecer, colocando em risco assim sua própria pretensão à coroa portuguesa.

O ponto de divergência: o retorno de D. PedroEditar

Interferência de bloqueador de anúncios detectada!


A Wikia é um site grátis que ganha dinheiro com publicidade. Nós temos uma experiência modificada para leitores usando bloqueadores de anúncios

A Wikia não é acessível se você fez outras modificações. Remova o bloqueador de anúncios personalizado para que a página carregue como esperado.

Também no Fandom

Wiki aleatória