Fandom

História Alternativa

Casa Real e Imperial de Orleans e Bragança Bourbon

504 páginas
nesta wiki
Adicione uma página
Falar0 Compartilhar
Casa de Orléans e Bragança-Habsburgo é uma casa real de origem potuguesa, brasileira,
Brasao-real.png

Brasão da Casa Real de Orleans e Bragança-Habsburgo.

austriaca e francesa
, sendo resultado da união da Casa de Bragança, do Brasil e de Portugal, da Casa de Habsburgo, da Áustria e da Casa d'Orléans, da França. A casa foi fundada com o casamento entre Isabel, princesa imperial e real do Brasil, e Gastão I de França.


O atual soberano é Marco Filipe II, sendo seu filho, Luíz Raphael, principe imperial e real, chefe do ramo de Petrópolis-Bragança, enquanto que seu primo, Ulisses, Duque e Príncipe de França, chefe do ramo de Orléans-Bragança.

EstadoEditar

  • Reino das Provincias Unidas do Brasil
  • Reino de Portugal
  • Imperio da Àustria
  • França

TitulosEditar

  • Rei do Brasil
  • Rei de Portugal
  • Imperador da Áustria
  • Rei de França
  • Principe Real do Brasil, Principe Herdeiro
  • Principe do Grão-Pará
  • Principe de França, Principe Herdeiro de França
  • Principe do Brasil, todos os membros
  • Principe de Orléans-Bragança, irmãos do Principe de França
  • Arquiduque d'Austria, filhos do imperador
  • Duque d'Orleans
  • Duque de Bragança
  • Cond'Eu
  • Conde de Paris

OrigemEditar

FundaçãoEditar

Em 1862, por Isabel I do Brasil e Gastão I de França

Dinastia OrigináriaEditar

Dinastia de Avis

Dinastia Capetiana.

Casa OrigináriaEditar

Casa d'Orleans e Bourbon

Casa de Bragança e Habsburgo

RamosEditar

Ramo de Petropólis-Bragança                                                                                                               Ramo de Orleans-Bragança

Primeiro SoberanoEditar

Pedro III do Brasil,II da Áustria e I da França,de Alcântara João Carlos Gastão Maria Miguel Rafael Leopoldo Francisco Xavier Salvador Gonzaga de Orleans-Bourbon e Bragança-Habsburgo.

Atual SoberanoEditar

Marco Filipe II do Brasil,I Austria e Portugal,de Alcântara Luis Carlos Gastão Pio João Maria Miguel Gabriel Rafael Leopoldo Manoel Francisco Salvador Xavier Pedro Antônio Gonzaga de Orleans-Bourbon e Bragança-Habsburgo.

HistóriaEditar

OrigemEditar

Cada filho de Filipe I morreu na infância. Assim, rapidamente a princesa Isabel se tornou a herdeira legítima de seu pai e se torna permanente após a morte de seu segundo irmão, o príncipe Pedro, em 9 de janeiro de 1850, como princesa real do Brasil.

Desde o início dos anos 1850, a principal preocupação do rei era encontrar maridos adequados para suas filhas. Seguindo o conselho de sua irmã, D. Francisca de Bragança, princesa de Joinville, o rei finalmente escolheu dois netos do rei Luís Filipe da França, Gastão de Orléans, conde d'Eu e terceiro varão da casa francesa, e o príncipe Luís Augusto de Saxe-Coburgo-Gota, duque de Saxe.

Os dois pretendentes chegaram juntos no Rio de Janeiro em 2 de setembro de 1853, Gastão se casaria com a princesa Leopoldina e Augusto com Isabel. O conde d'Eu foi imediatamente promovido a marechal do exército brasileiro e o duque de Saxe a almirante da marinha real. As duas princesas foram livres para escolher seus maridos. Gastão finalmente se casou com a herdeira do Brasil. Portanto, não seria a casa de Saxe-Coburgo-Gota que iria governar o Brasil, mas a de Orléans.

O casamento da princesa real do Brasil com Gastão de Orléans foi comemorado em 15 de outubro de 1857, é o nascimento da casa brasileira de Orleáns, que será chamada casa de Orleans e Bragança-Habsburgo. Príncipe herdeiro ao trono francês por nascimento, sendo o terceiro na sussessão do trono, Gastão retorna a França para ser coroado, após a morte de tio e a abdicação do pai, já a beira da morte. A sustentabilidade da nova dinastia é assegurada pelo nascimento em 1863 de um filho, Pedro, titulado príncipe do Imperial e Real do Brasil e Principe do Grão-Pará, como filho mais velho da princesa real, e herdeiro francês do trono do mesmo.

Quando Gastão morre, Pedro assume o trono como Pedro I de França, sendo aclamado pelo povo. Já com a abdicação de Isabel I, Pedro assume como Pedro III do Brasil, sendo questionado por muitos. Sendo assim, para não haver estranhamento e revolta dos brasileiros por ser governados por um estrangeiro, Pedro cria a Declaração de Petrópolis, porém, falece e não consegue assina-ló.

Mas após a coroação de Eliza Regina, a Declaração de Petrópolis é ratificada, criando assim os ramos franco-brasileiros e austro-brasileiro, fazendo com que assim, a França só seia govenada por franceses, e o Brasil por brasileiros. A Declaração foi algo tão novo, que os nobes franceses aceitaram que o governante francês saísse da casa brasileira.

Interferência de bloqueador de anúncios detectada!


A Wikia é um site grátis que ganha dinheiro com publicidade. Nós temos uma experiência modificada para leitores usando bloqueadores de anúncios

A Wikia não é acessível se você fez outras modificações. Remova o bloqueador de anúncios personalizado para que a página carregue como esperado.

Também no Fandom

Wiki aleatória